Sunday, August 27, 2006

Pequenos luxos, grandes custos!


Há dois dias fiquei chocado com a facilidade das pessoas gastarem dinheiro. Como é habitual todas as semanas, a minha mãe comprou a visão, mas desta vez, ao comprar a Visão, reparou na capa vistosa da revista Sábado, que para além de falar de escândalos nos hospitais portugueses tinha especial foco para a notícia principal “Pequenos luxos, nos melhores hotéis”. Comprou então a revista Sábado, também.
Quando chegou a casa pousou a revista em cima da mesa e horas depois dei de caras com aquela forma fútil de gastar dinheiro, ou seja, a maneira mais estúpida, mas mais luxuriosa de ter prazer.
Pois há pessoas que por uma semana ou duas, ou até mais, gastam perto 50.000 € numa suite de hotel de luxo, ou até mais, consoante a carteira e a disponibilidade de cada um.
Há clientes para tudo, e enganem-se aqueles que acham que isto só se faz uma ou duas vezes na vida. Não, estas pessoas são clientes regulares de cada hotel, normalmente.
A começar em clientes que alugam um iate para trinta pessoas e a terminar numa passagem privada de modelos da Versace há de tudo.
Pois a quantidade de pessoas que se deixam banhar por esta maré de ouro sobe descontroladamente, só me ocorre um provérbio nesta ocasião: “Uns com tanto, e outros com tão pouco”, pois sabe toda a gente que o país está em crise. Mas de qualquer maneira, e não me esquecendo que sou apenas um jovem de 14 anos quero apenas dizer com isto que fiquei chocado com a quantidade de serviços de luxo esgotados existem no nosso país.

Se quiserem saber mais sobre os que vos falo, a Sábado Ed. 121 conta-lhe tudo ao pormenor.


O sempre atento:
CBA

Monday, August 07, 2006

Erros encontrados na escola por um olho bem atento!!!

Há erros que se podem desculpar, mas certamente numa escola, onde se ensinam as crianças não deveria haver casos tão directos como um professor escrever no quadro "Hagilidade", ou num placard educativo estar escrito "Àrvores", ou até na biblioteca estar escrito "Atênção não mexer" mas para quem não acredita mostro em primeira mão os casos irregulares detectados.


Ida à feira da contrafacção...


Este fim-de-semana, estive em Peniche, numa feira de contrafacção.
Como era de esperar, montes de roupa a saltar de banca em banca, montes de barulho, feirantes a fazer uma barulheira para atrair o pessoal, carrocéis, carrinhos de choque, farturas, churros, e tudo mais...

Depois de ter comido o meu churro, e após ter visto em todas as churrarias vender-se: Farturas, Churros, Churros com sabores e "PORRAS", o que achei estranho, pois "porras" na minha terra (Lisboa) são porcarias, mas continuei a volta pela feira.
Depois de ter entrado numa ruela, cheia de bancas e feirantes, e após ter visto as feirantes a dizeren que tinham jogos de banho fantásticos, passei por uma feirante, com o seu neto, que tiravam berloques de uns chinelos "flip-flap". Perguntei porque tiravem eles aqueles berloques e obtive uma resposta em que cada palavra continha erros fonéticos. Que era: "Istos agora tiremos estas côsas, e metemos: Vidres partidss, arames esfarrapadesss e lantchólas" que eu achei o máximo (LOOOL).
Continuando o meu trajecto, deparo-me com um feirante que vende CD's piratas.
Quando olho para trás, vejo umas raparigas aí na casa dos seus 19 anos a dizerem para o feirante: "Olhe-me pa isto, estes cd'zes não tão bem gravadess, porque este só toca metade, este só toca musicas do Reberto Carles e este nem sequer toca, porque a gentes tivemos a ouvir isto no autmóvel e sabemes..." e o feirante respondeu:"Então as senhoras fazem-me o seguinte, escólham os memos cd'zes aí (na banca, entenda-se) e dão-me pa verificarmes se tocam ou não".

Após umas boas gargalhadas, continuei, juntamente com a minha mãe e com umas amigas da minha mãe, para outra banca em que, com um microfone ranhoso, ligado a umas colunas "rasca", um feirante dizia: "Olhós pjamas da Fluribela, é po nino e pa nina, pa dormir debaixo da cama, é pácabar com o estok". O que ele quis dizer com isso não sei, mas que teve graça, lá isso teve!

Um pouco mais à frente, uma familia de feirantes, bebia a sua água, e comia a sua "merenda", estava a vender sapatos. A minha mãe aproximou-se da banca e ouviu uma das filhas da família dizer para o pai: "Ó mê pai, com um pai tan lindu, comequ'ê fui sair tan fêa?", o pai como é obvio, ficou todo babado e disse à filha, como é obvio, que ela era bonita, que era isso que ela queria ouvir...

Cheguei finalmente à contrafacção dos perfumes, em que havia marcas do estilo: "Hogo Boos", "Tomnyi Hisfijer", "Allur, da Chammele" e que em me lembre ainda o "Junior da Lacosstell".
Nas T-shirts havia: "Timberlende", "Lacosstell", "H&F", "Giovanni Galinho" e mais não me lembro, enfim...

Quase a acabar, tirando à parte os "Fizestes", "Prontes" e afins, não aconteceu (infelizmente) mais nada, fica para o ano que vem, se lá for outra vez... (LOOOOOL).

Foi uma tarde/noite cinco *****!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Este Blog...

Este blog destina-se a contar na primeira pessoa, factos que acontecem no dia-a-dia, mais ou menos divertidos.
E com muito prazer que vos apresento o: www.cronistabematento.blogspot.com.

Espero que seja mais uma boa aposta no mundo dos bloguistas!!!

Obrigado:

Henrique! (CBA)